Do Mega Curioso: 5 formas malucas mas hipoteticamente possíveis de destruir a Terra

Para conhecer o Mega Curioso, clique aqui.

Confira algumas ideias mirabolantes para pulverizar o nosso planeta.

 

Apesar de não faltarem por aí teorias da conspiração e histórias apocalípticas, a verdade é que, na prática, caso algum maluco algum dia decidisse destruir o nosso planeta, essa não seria uma missão nada fácil. Afinal, estamos falando de uma esfera de ferro de 4,5 bilhões de anos e aproximadamente 624 (!) quilos que já suportou mais impactos e catástrofes do que você possa imaginar.

No entanto, apesar das dificuldades, o pessoal do site LiveScience publicou uma interessante lista — especialmente para os aspirantes a “destruidores do mundo” — sobre alguns métodos para pulvertizar o planeta, e você pode conferir cinco deles a seguir:

1 – Com um buraco negro

Fonte da imagem: Reprodução/NASA

Material necessário: um buraco negro e foguetes com motores superpoderosos.

Embora seja um plano extremamente difícil de por em prática — e definitivamente impossível com a tecnologia atual —, na teoria, ele poderia ser aplicado. Assim, o primeiro a fazer é localizar um buraco negro (o mais próximo da Terra está a 1.600 anos-luz de distância) e proporcionar um encontro entre o nosso planeta e essa estrutura, “rebocando” os dois com os foguetes superpoderosos.

Esta seria a parte mais demorada do plano, e o ideal seria que tanto a Terra como o buraco negro se deslocassem juntos até o encontro fatal. Como resultado, o nosso planeta seria engolido e passaria a fazer parte da massa do buraco negro.

2 – Com um empurrão

Fonte da imagem: pixabay

Material necessário: equipamentos capazes de empurrar a Terra.

Este plano consiste em empurrar a Terra em direção ao Sol, para que ela seja torrada, se transforme em um pequeno glóbulo de ferro e termine engolida pela estrela. Assim como o método anterior, os equipamentos necessários para dar esse empurrãozinho ainda não existem, mas nada impede que o acaso — ou a ira divina — faça com que um enorme objeto surja inesperadamente e colida com o nosso planeta, despachando-o na direção certa.

3 – Com “strangelets”

Fonte da imagem: pixabay

Material necessário: um strangelet estável.

Hipoteticamente, os stranglets surgem a partir da fusão de elétrons e prótons presentes no núcleo de uma estrela de nêutrons, que entram em colapso devido à alta pressão e formam uma espécie de bolha de quarks, chamada “matéria estranha”. Portanto, segundo a teoria, essas partículas seriam pequenos fragmentos de matéria estranha resultantes da combinação de quarks updown — que compõem os prótons e nêutrons — e strange em números iguais.

Assim, primeiro seria necessário invadir um colisor relativístico de íons pesados — existe um em Nova York —, e depois criar e manter um strangelet estável por tempo suficiente para que essa partícula engula toda a Terra, reduzindo-a a uma gigantesca bolha de matéria estranha.

4 – Com uma bomba de antimatéria

Fonte da imagem: Reprodução/NASA

Material necessário: 2,5 trilhões de toneladas de antimatéria.

A antimatéria — que pode ser produzida em ínfimas quantidades nos grandes aceleradores de partículas — é a substância mais explosiva possível. Mas conseguir a quantidade necessária para explodir o planeta em bilhões de pedacinhos pode ser um problema.

Considerando que a energia gravitacional que mantém a Terra coesa é equivalente a 22430 Joules, ou seja, igual a toda a energia que o Sol produz em quase uma semana — de acordo com a equação E=(3/5)GM^2/R —, seriam necessários, como mínimo, 2,5 trilhões de toneladas de antimatéria para liberar a energia necessária para aniquilar o planeta.

Se este método de destruição pudesse ser posto em prática, o resultado provavelmente seria a formação de um novo cinturão de asteroides ao redor do Sol, composto por bilhões de fragmentos provenientes da explosão.

5 – Desaparecimento espontâneo

Fonte da imagem: shutterstock

Material necessário: muita paciência e sorte.

Este plano consiste em esperar que todos os átomos que compõem o planeta Terra simplesmente — e completamente ao acaso — deixassem de existir simultaneamente. Obviamente, a probabilidade de que isso aconteça de maneira espontânea é de uma em… bem, nem vale a pena calcular, na verdade. A não ser que, algum dia, alguém invente uma engenhoca capaz de fazer isso!

***

E você, leitor, consegue imaginar mais alguma forma maluca de pulverizar o nosso planeta? Não deixe de descrever nos comentários qual seria o seu plano!

 

Fonte: LiveScience

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s