Do Pragmatismo Político: Médicos dos EUA participam de tortura em Guantánamo

Para conhecer o site do Pragmatismo Político, clique aqui.

 

Médicos violaram código de ética ao participar de torturas em Guantánamo. Estudo revela que, além de colaborar com atos de crueldade, doutores ajudavam a conceber práticas de tortura

 

médicos tortura guantánamo
O estudo aborda diversas práticas de coerção e tortura, mas concentra-se na alimentação forçada de presos em greve de fome. (Presídio de Guantánamo / Reprodução)

Um estudo independente, chamado de “Ética Abandonada”, revelou na última semana que médicos militares dos EUA participaram de torturas em Guantânamo e outras prisões da CIA, violando códigos éticos da profissão. Segundo a pesquisa, doutores e psicólogos “formulavam, participavam e permitiam tortura, tratamento cruel, desumano e degradante dos prisioneiros”.

A Fundação Open Society, de George Soros, responsável pela pesquisa, afirma também que, além de participar de torturas, o grupo médico se envolveu na concepção das práticas contra suspeitos de terrorismo que ocuparam prisões da CIA em Guantânamo, em Cuba, ou no Afeganistão, denuncia o relatório. Pentágono e CIA, no entanto, negam as acusações, dizendo que o relatório contém imprecisões e erros.

O estudo aborda diversas práticas de coerção e tortura, mas concentra-se na alimentação forçada de presos em greve de fome e, também, nos métodos violentos de interrogatório, como a simulação de afogamento (waterboarding) em centros de detenção secretos.

“Fica claro na pesquisa que, em nome da segurança nacional, os militares ignoraram o código de ética dos profissionais da saúde. Eles passaram a funcionar como agentes dos militares, praticando atos contrários à regra e à ética [profissionais]” internacionais e em vigor nos EUA”, afirmou o co-autor do estudo Gerald Thomson, professor de Medicina emérito na Universidade de Columbia, nos EUA.

“Os médicos, enfermeiros, psicólogos e outro pessoal destacado para assistir os doentes ajudaram a conceber, permitiram e participaram de práticas desumanas contra os detidos”, disse em entrevista à imprensa norte-americana.

“O Departamento de Defesa e a CIA alteraram as regras de ética fundamentais para facilitar a participação de profissionais de saúde em abusos contra detidos. Foi isso que aconteceu. E essas distorções ainda existem”, disse Leonard Rubenstein, também co-autor, ao programa da BBC Newsday. Rubenstein denunciou exemplos em que os profissionais de saúde são chamados aos interrogatórios “para procurar vulnerabilidades físicas que os agentes que interrogam possam explorar”.

A investigação foi realizada por militares e peritos legais, especialistas em questões de saúde e ética, e centra-se em especial no papel que desempenharam os profissionais de saúde na alimentação forçada de presos em greve de fome, com tubos. A prática veem sendo frequentemente questionada pelos observatórios de direitos humanos ao redor do mundo.

Opera Mundi, com RT e Público

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s